Semana da Arte Moderna: conheça os principais artistas e obras que marcaram esse momento.

O modernismo foi o primeiro movimento que surgiu depois de uma semana de eventos, diferente de todos os outros, e esse período está condicionado a um acontecimento: a Semana da Arte Moderna, que aconteceu entre os dias 11 e 18 de fevereiro de 1922, no Teatro Municipal de São Paulo.

Semana da Arte Moderna: conheça os principais artistas e obras que marcaram esse momento.
Imagem: criado por Freepik

A busca por liberdade, reflexo da insatisfação de um governo tomado por uma política que desagradava a maioria, fez com que os artistas sentissem a necessidade de mostrar transformação em suas novas criações.

A fim de propor uma renovação estética na arte e literatura, os artistas e escritores desse período apresentam um novo olhar, um olhar contrário ao tradicionalismo e ao rigor estético. Assim surgiu a Semana da Arte Moderna.

O nascimento do grande evento

A Semana da Arte Moderna, em 1922, reuniu em São Paulo artistas como Heitor Villa-Lobos, Tarsila do Amaral, Mário e Oswald de Andrade. O evento marcou um cenário de independência, foi o rompimento com o tradicionalismo do parnasianismo, simbolismo e a arte acadêmica.

Realizado entre os dias 11 e 18 de fevereiro, no Teatro Municipal de São Paulo, o festival incluiu cerca de 100 obras em sua exposição, aberta diariamente no saguão do teatro, e três sessões lítero-musicais noturnas. Nos dias 13, 15 e 17, aconteceram três grandes espetáculos.

A Semana da Arte Moderna foi o ponto de encontro de várias tendências que vinham se firmando em São Paulo e no Rio de Janeiro desde a I Guerra Mundial. O movimento permitiu a consolidação de grupos com uma demonstração viva e clara da realidade cultural do país.

Para que o alcance das obras fosse absoluto, e nascendo do desejo de explicá-las e dar-lhes um porquê, os modernistas fundaram revistas e lançavam manifestos que delimitavam os subgrupos, de início apenas estéticos, mas que se estendiam, posteriormente, a matizes ideológicas e políticas.

Fases do Modernismo no Brasil

O modernismo foi um período bem longo. O movimento teve início em 1922 e estendeu-se até 1960, trazendo inúmeras características e obras, que foram divididas em três fases ou gerações.

  • Primeira fase modernista (1922-1930) – a fase heroica ou de destruição;
  • Segunda fase modernista (1930-1945) – a fase de consolidação ou geração de 30;
  • Terceira fase modernista (1945-1960) – a geração de 45.

Um movimento artístico moderno

Movimentos artísticos são nomes dados a certos estilos de arte produzidos em determinadas épocas por artistas que compartilham ideais, estilos e métodos ou abordagens artísticas.

Os artistas modernistas, em suas pinturas, exploravam e mostravam a cultura brasileira e as críticas sociais. Os pintores que mais se destacaram foram:

  • Tarsila do Amaral (1886-1973)
  • Anita Malfatti (1889-1964)
  • Di Cavalcanti (1897-1976)
  • Cândido Portinari (1903-1962)

Um aspecto comum de todos os movimentos artísticos, é que eles ocorrem durante um período específico. Nesse sentido, um artista hoje pode pintar em estilo modernista, por exemplo, mas não faria parte do movimento modernista, uma vez que esse período já passou.

A revolução literária

Na Literatura, as inovações atingem os vários fragmentos da linguagem literária, desde a pontuação até as estruturas fônicas, lexicais e sintáticas do discurso. A “fase heroica” do Modernismo foi especialmente rica em aventuras experimentais tanto no terreno poético como no da ficção. Neste momento, o texto ganha um tom formativo no qual o escritor se empenha inteiramente na palavra, no ritmo e nos vários traços de linguagem.

Os principais autores da primeira fase, são:

  • Oswald de Andrade (1890-1954): Memórias sentimentais de João Miramar (1924)
  • Mário de Andrade (1893-1945): Macunaíma (1928)
  • Manuel Bandeira (1886-1968): Libertinagem (1930)

Os principais autores da segunda fase, são:

  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987): A rosa do povo (1945)
  • Vinicius de Moraes (1913-1980): Novos poemas (1938)
  • Cecília Meireles (1901-1964): Romanceiro da Inconfidência (1953)
  • Jorge de Lima (1893-1953): Poemas negros (1947)
  • Murilo Mendes (1901-1975): O visionário (1941)

Os principais autores da terceira fase, são:

  • Rachel de Queiroz (1910-2003): O Quinze (1930)
  • Erico Verissimo (1905-1975): O Tempo e o Vento (1949-1961)
  • Graciliano Ramos (1892-1953): Vidas Secas (1938)
  • José Lins do Rego (1901-1957): Menino de Engenho (1932)
  • Jorge Amado (1912-2001): Capitães da Areia (1937)

“Porque a revolução é uma pátria e uma família.”

Jorge Amado

Fonte:

https://www.todamateria.com.br/modernismo-no-brasil/

https://mundoeducacao.uol.com.br/literatura/modernismo.htm

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira – 52 ed. São Paulo: Cultrix, 2017.

HODGE, Susie. Breve história da arte: um guia de bolso dos principais movimentos, obras, temas e técnicas. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.

AMADO, Jorge. Capitães da Areia – 3 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

Add Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *